17 de dez de 2011

De Niva para Ushuaia "A Terra do Fogo" - ENTREVISTA com o Casal Christian e Mirian


Após 40 dias de estrada e 13.305km rodados num Lada Niva o casal de aventureiros Christian e Mirian nos conta como foi a fantástica e inesquecível  viagem ao fim do mundo.  A Expedição Kataya 4x4 - Patagônia 2011.




*Grauçá 4x4: Christian, quando surgiu a idéia de a Terra do Fogo – Ushuaia num Lada Niva?
R: Isto foi após realizarmos nosso primeiro passeio de 4x4 através de um grupo formado pelo Soldier e Baré em junho/2009 a Aiuruoca/MG, este também foi o nosso primeiro passeio com o VERMELHINHO, como ele respondeu muito bem inclusive superando todos os obstáculos por duas vezes até a Pousada do Lado de Lá no Pico do Papagaio, visualizei que poderíamos ir além, porem a idéia só surgiu após conhecer o site Ushuaia de Moto de um grupo de motoqueiros de Porto Alegre que estavam se preparando para esta viagem, inclusive abrindo vagas a qualquer um que quisesse participar, ai é que veio a idéia, porque não participar!




*Grauçá 4x4: Christian, como se desenvolveu o planejamento da viajem até o fim do mundo e em quanto tempo?
R: Praticamente todo o planejamento ocorreu até a véspera da nossa partida e continuou durante todo o nosso percurso, não foi fácil, no início não tinha nem um tipo de informação, porem para ajudar a fortalecer esta idéia no mês de setembro/2009 se realizou em São Paulo o Adventure Sports Fair, onde tivemos o nosso primeiro contato com os argentinos e onde também começávamos a levantar as primeiras informações para esta viagem.




*Grauçá 4x4: Christian, quando acharam que estavam preparados para irem até a Patagônia?
R: Hoje eu posso dizer que estou preparado para voltar a Patagônia, porem por mais preparado que estivéssemos com mapas, equipamentos, revisões do Niva, reuniões entre os participantes, não, não estávamos preparados para o que realmente iríamos enfrentar, tínhamos apenas uma noção do que seria a viagem só isto.




*Grauçá 4x4: Christian, qual foi o caminho planejado para a viagem?
R: De início surgiram muitas possibilidades inclusive de iniciarmos por Foz do Iguaçu e não só irmos até a Patagônia, mas continuarmos o nosso retorno até o Deserto do Atacama, porem com o planilhamento do trajeto vimos que isto não seria possível, assim fomos reduzindo e adequando o trajeto para uma expedição á Patagônia iniciando pelo Uruguai (Rivera) seguindo pra Argentina (Concepcion Del Uruguai) descendo pela Ruta 3 passando por Bahía Blanca, Puerto Madryn, Rio Gallegos até Ushuaia, retornando sentido Punta Arenas (Chile) alternando a partir deste momento entre Chile e Argentina pela Ruta 40 através das cidades de El Calafate, El Chalten, Cochrane, Coyhaique, San Carlos de Bariloche, Mendoza, Santa Fé, seguindo para Uruguaiana (Brasil).




*Grauçá 4x4: Christian, qual a característica do seu Niva?
R: Nosso Niva é original do ano de 1990, porem para esta viagem foram realizadas algumas significantes melhorias como alterar o motor para 1.7, colocamos carburador Weber, ignição russa e instalamos snorkel, de pneus utilizamos o Destination A/T 215/80R16 da Firestone com a suspensão levantada, também instalamos mais uma toma para os equipamentos eletrônicos além de colocarmos luz no porta malas, como podem ver o carrinho ficou show!





*Grauçá 4x4: Christian, qual o apelido do seu Niva? Ele correspondeu como planejado?
R: Seu apelido é VERMELHINHO. Se compararmos com as criticas recebidas ele superou o previsto indo e voltando, porem se considerarmos a viagem como um todo, posso dizer que ele correspondeu 87% do esperado pelos momentos que não passou dos 60km/h por nada em retas a perder de vista, mas mesmo assim foi um guerreio.




*Grauçá 4x4: Mirian, qual foi a sua responsabilidade durante o planejamento dessa viagem?
R: Auxiliei na escolha das roupas e equipamentos, revisei todo o rascunho do trajeto utilizando mapas e levando em consideração todo e qualquer turismo regional e principalmente apoiei o Chris nesta loucura.




*Grauçá 4x4: Mirian, e aí deu aquele friozinho na barriga na partida?
R: Sinceramente senti um friozinho na barriga na segunda noite, quando nos aproximávamos da fronteira com o Uruguai, já era tarde e chovia muito, não conhecíamos a região e estávamos em uma estrada de mão dupla e deserta de uma reta só, raramente avistávamos a luz de um sítio, neste momento pensei, até o fim desta viagem terei esta sensação diariamente.




*Grauçá 4x4: Mirian, em que momento vocês acharam que estavam adaptados ao Niva durante a viagem para o Ushuaia?
R: Particularmente sofri muito com o cheiro de combustível, um problema que havíamos resolvido mas voltou a acontecer durante a viagem, mas isto aconteceu devido a gravidez. Antes da viagem já havíamos viajado com o Niva algumas vezes e curtimos muito, a compra do Niva se deu a necessidade de um carro para eu trabalhar e eu o utilizei diariamente por aproximadamente um ano. Depois disto o Chris também passou a utiliza-lo diariamente. Agente adora o Niva e já nos sentíamos adaptados antes da viagem.




*Grauçá 4x4: Mirian, em que momento da viagem vocês disseram, bem estamos realmente viajando de NIVA para o fim do mundo, para a Terra do Fogo, para Ushuaia de verdade?
R: A primeira vez que fomos guinchados, o motivo... falta de combustível rssss.




*Grauçá 4x4: Christian, Patagônia 2011 – Expedições Kataya 4x4, o que significa?
R: Kataya 4x4 é um grupo Off-Road de amigos de diversas localidades do estado de São Paulo, ou seja, é um grupo sem base mas que sempre esta se reunindo. Expedição Kataya 4x4 recebeu este nome em virtude da constatação de que restaram apenas membros do grupo e por se tratar a primeira grande viagem deste grupo. Patagônia 2011 foi em virtude de enfatizarmos que estávamos finalmente realizando o feito de irmos á Patagônia.




*Grauçá 4x4: Christian, vocês estavam sós, de Niva, durante a viagem ou era um comboio de offroaders rumo a Patagônia?
R: A expedição era composta por 5 veículos, porem dos 40 dias de viagem, ficamos ao menos 30 dias totalmente sozinhos, inclusive enfrentando o caminho mais ermo que foi de Bajo Caracoles (Argentina) até Cochrane (Chile) que é o início do trecho para a Carretera Austral. Pra falar a verdade e conforme discutido em reuniões, não era para ficarmos sozinhos, porem logo no início da expedição, parte do grupo já havia iniciado a viagem, nos encontrando somente horas antes de cruzarmos a primeira fronteira para o Uruguai e início propriamente dito da expedição, ou seja, iniciamos nossa jornada sozinhos, terminamos a mesma sozinhos além de realizarmos grande parte da aventura sozinhos, posso concluiu então que de fato estávamos literalmente sozinhos.




*Grauçá 4x4: Mirian, cruzaram com algum Niva durante a viagem?
R: Sim com alguns. Alias o primeiro Niva foi eu que vi, estava no estacionamento de um supermercado, e paramos de frente a ele. Olha ele ai!




*Grauçá 4x4: Mirian, que avaliação você pode fazer das estradas partindo do Brasil rumo a Ushuaia – A Terra do Fogo?
R: Partindo de Campinas/SP o primeiro problema são os pedágios depois disto algumas estradas não duplicadas nos estados de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mas a paisagem é belíssima inclusive demos preferência à estradas menos utilizadas do que às estradas federais (mais movimentadas) no Uruguai pegamos uma estrada muito boa e na Argentina também estradas muito boas principalmente a Ruta 3. O problema se dá na volta de Ushuaia para quem retorna pela Ruta 40 que é uma estrada quase completamente de rípio.




*Grauçá 4x4: Christian, foi necessário dar manutenção durante a viagem?
R: Foi, em virtude de alterarmos o motor, foram instalados novas sapatas no tensor da corrente, porem como não eram de boa qualidade nos deixavam na mão após trocarmos o óleo por duas vezes, ou seja, elas simplesmente eram comidas pela corrente, isto nos tomou tempo e um bocado de pesos, também tivemos problemas no rolamento do lado do carona, bem sabíamos que tinha algo lá mas não conseguimos identificar o problema e assim fomos até a roda quase travar, felizmente levamos alguns kits para reparo concedidos pelos amigos da Status Lada, porem este fato nos fez ficar sem freios logo no início da Carretera Austral em virtude dos flexíveis terem sido montados do lado de fora, e para finalizar a única peça que não substituímos foi o burrinho da embreagem que nos deixou sem embreagem em El Calafate, de resto tranquilo, porem tenho que ser sincero ao dizer que graças a estes pequenos transtornos, pudemos vivenciar e confraternizar ainda mais com argentinos ou chilenos que sempre nos recebiam mui bem!




*Grauçá 4x4: Christian, o que mais te agradou no Niva durante a viagem em performance?
R: Sua segurança durante todo o percurso e mesmo com os imprevistos, respondendo a altura quando foi preciso, alem de tornar ainda mais espetacular esta viagem.




*Grauçá 4x4: Christian, o que mais te desagradou?
R: Se isto realmente foi causado pelo Niva, se foram os fortes ventos ou foi a altura, ou todos estes fatores juntos, com certeza eu diria que não passar dos 60km/h foi sem dúvida a parte mais chata da viagem, ainda mais com retas a perder de vista.




*Grauçá 4x4: Christian, qual velocidade média da viagem?
R: Esta resposta é muito relativa, andamos muito bem passando dos 110km/h, porem também em determinados trechos não ultrapassávamos o 60km/h por nada, havia trechos que somente loucos correriam a mais de 40km/h e em outros que mantínhamos os 80km/h por segurança e conforto, deste modo não tenho como estabelecer uma média só posso dizer que foi uma boa aventura.




*Grauçá 4x4: Christian, qual foi a média de consumo de combustível?
R: Bem primeiramente temos que comentar que a gasolina argentina é de longe muito melhor que a mistura que é vendida aqui no Brasil, para terem uma idéia do que falo a tal gasolina Podium da BR que muitos a consideram a TOP, é na verdade a gasolina mais ralé que a própria BR vende na argentina e que se bobear quem produz é a YPF empresa argentina. Agora nossa média foi de aproximadamente 11,6km/l. 




*Grauçá 4x4: Christian, qual foi o melhor preço de combustível?
R: Responder isto é um tanto difícil, além do combustível argentino ser muito melhor que o vendido no Brasil e custar à metade do preço, uma coisa é certa, após a metade a argentina sentido Ushuaia o combustível fica mais barato ainda.




*Grauçá 4x4: Mirian, quais as cidades e países que mais curtiram na viagem?
R: As cidades que mais curtimos e por que:
       Puerto Madryn (AR) – uma cidade de praia bem estruturada e muito bonita, da acesso a Pininsula Valdez, santuário da fauna marinha, um lugar inesquecível que conhecemos.
       Trelew (AR) – uma cidade também bastante estruturada, o que gostamos mesmo foi do museu Paleontológico.
       Ushuaia (AR) – entendemos porque é conhecida como a cidade mais austral do mundo nos passeios que realisamos ao redor da cidade e no Parque Nacional Tierra Del Fuego.
       Puerto Natales/CHILE – acesso ao Parque Nacional Torres Del Paine, um lugar lindo e inesquecível.
       El Calafate (AR) – a cidade que nos colocou cara a cara com dois lindos Glaciáres: Upsala e Perito Moreno.
       Bariloche (AR) – uma cidade muito linda e maravilhosa.
       Apesar de a maioria destas cidades estarem localizadas na Argentina, as paisagens e a comida chilena são inesquecíveis, voltamos para casa com vontade de conhecer melhor e ficar mais na região da Carretera Austral, uma viagem a parte.




*Grauçá 4x4: Mirian, onde passaram o reveillon?
R: Em Ushuaia numa cabana com os amigos.




*Grauçá 4x4: Mirian, sentiram frio durante a viagem? Qual foi a média da temperatura ambiente?
R: Não temos como tirar uma média a temperatura variava muito, durante a noite era muito frio cerca de 5ºC e durante o dia bastante quente creio que uma média de 30ºC, mas o vento era constante em ambos os períodos. Na noite que passamos mais frio estávamos próximo a Bariloche, dormindo no carro entre pinheiros e um céu estrelado, porém conseguimos permanecer ali até cerca de 5h da manhã, pois estávamos congelando no carro.




*Grauçá 4x4: Mirian, onde dormiram?
R: A maioria dos hotéis eram caros para as acomodações que possuíam cerca de R$ 120,00 reais, raramente encontrávamos um local compatível com este preço e geralmente chegávamos tarde pouco desfrutando das acomodações, então tornou-se constantes as noites que passamos no Niva, também dávamos prioridade aos campings e chalés, mas também dormimos em hotels dividindo as acomodações com os amigos Nô e Eli.
       Algumas noites geraram histórias curiosas como um hotel que possuía roupas de cama de seda parecendo um bordel e cujo corredor era cenário de um verdadeiro filme de terror; houve uma noite que dormimos num quartinho de um quartel na fronteira AR/Chile, afastado de tudo e de todos, isto porque a fronteira tinha hora para fechar e chegamos tarde, por sorte pudemos contar com a solidariedade dos soldados, o lugar também era super estranho e haviam moscas enormes que nos obrigou a fechar o saco de dormir completamente; houve também uma noite cujo nossa única opção foi dormir em um quartinho que chamavam de hotel não tenho palavras para descrever o quanto era horrível mas segue imagem...    


 Sinceramente os locais onde dormimos foi o que mais nos rendeu histórias ainda teria varias para contar. Mas não se assustem também dormimos em locais maravilhosos.




*Grauçá 4x4: Christian, passaram por algum perrengue, qual?
R: Nesta aventura aconteceram diversos fatos, porém o mais angustiante foi guando ficamos sem freio logo após a fronteira da Argentina no início da Carretera Austral, tanto é que após uma íngreme decida seguida de curva e com um verdadeiro lago a nossa frente, acabei quebrando o suporte do cambio da reduzida no desespero, o lugar alem de ser totalmente ermo, tinha umas belas decidas, alem de estar rodeada por guanacos o que fazia com que redobrássemos ainda mais nossa atenção, foi muita loucura enfrentar as ladeiras somente segurando na primeira marcha e com o pé quase varando o assoalho no que ainda existia de pressão do freio, porem foi fantástico.




*Grauçá 4x4: Christian, qual a parte mais gostosa da viagem que o casal curtiu?
R: Falar de algo que foi mais gostoso é algo imensamente difícil, cada lugar tinha o seu mistério, sua história e encantos, porem eu tenho que dizer que o local mais mágico de toda a viagem e que jamais esqueceremos foi após termos carimbado os nossos passaportes em Puerto Guarani que fica do Parque Nacional na Tierra del Fuego, ali sentimos algo totalmente inexplicável e encantador, algo que realmente nos tocou profundamente ficando claramente marcado que os dois anos de preparação valeram cada minuto.




*Grauçá 4x4: Christian, qual foi o custo total dessa viagem?
R: As despesas correram como previstas, gastamos ao todo cerca de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), porem confesso que se não tivéssemos tido problemas mecânicos e fossemos com um maior conhecimento sobre os Campings que são muito bons e bem estruturados, teríamos gasto no máximo e com tudo incluso: combustível, hotel, camping, refeições, passeios e suveniers no máximo R$ 10.000,00 (dez mil).




*Grauçá 4x4: Christian, muitos “Niveiros” te invejam saudavelmente é claro, por ter uma parceira que te acompanha em aventuras com o Niva, como você avalia a participação especial de Mirian?
R: Resumo simplesmente falando que sem ela ao meu lado nada disto seria possível!




*Grauçá 4x4: Mirian, de onde partiram os maiores apoios durante a viagem à Patagônia?
R: Principalmente dos amigos blogueiros e dos nossos pais que se comunicavam constantemente conosco.




*Grauçá 4x4: Christian e Mirian, quais as dicas que dariam aos interessados em fazer uma viagem de Niva à Patagônia?
R: Como qualquer carro que irá viajar, terá que fazer uma revisãozinha, de resto basta acreditar no Niva e pé na estrada! Imprevistos podem acontecer ou não, ai irá depender da preparação de cada um se encara os obstáculos como aventura ou desiste.




. *Grauçá 4x4: Christian e Mirian, qual a próxima aventura do casal com o Niva?
R: Não temos uma aventura em vista já que nosso bebê ainda é muito pequenino, mas isto não significa que estacionamos o Niva, sempre que possível passeamos aqui por perto.

 




*Grauçá 4x4: Christian e Mirian, qual o endereço do blog de vocês onde os internautas poderão acompanhar a aventura do casal à Patagônia?
    E esperamos todos por lá!




*Grauçá 4x4: Mirian, Como foi descobrir que estava grávida em meio a uma aventura como esta? Quando e porque você desconfiou que poderia estar grávida?
R: Saber que estava grávida durante a viagem me deixou um pouco insegura e um pouco mais contida, pois tinha uma leve preocupação em relação a distância entre as cidades e ao isolamento da região patagônica, mas também tornou-se um motivo para aproveitar cada momento pois sabia que com um filhinho não faria uma aventura assim tão logo. Imaginei que poderia estar grávida porque não conseguia me adaptar a comida, na verdade todas as mulheres estranharam no começo mas eu era a única que não conseguia comer nada, então depois de alguns dia de viagem desconfiei, a confirmação ocorreu em Ushuaia no dia 31 de dezembro.


          

.
.
.
Agradecimentos ao Casal de Niveiros Aventueiros Christian e Mirian
Para conhecer melhor essa viagem visite:
.
.
.
.

3 comentários:

Dr. Caio Pompeo P. Alves disse...

Aventura incrivel!
parabéns!!!!!

Aprovação do Projeto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aprovação do Projeto disse...

parabéns pela aventura internacional e ainda de Niva!!!