1 de abr de 2013

Se Arrependimento Matasse... (Causo...)



“Eu já tive nove Nivas na minha vida e vou dizer que ainda tenho uma paixão recolhida, mas vou contar uma história engraçada que aconteceu comigo...

Tinha um Niva 1991, naquela época começava a brincar no meio offroad baiano, participava de todas as trilhas próximas a Salvador, eu era feliz com o meu primeiro carro 4x4 integral.
Surgiu então a minha primeira expedição em grupo, à viagem dos carros offroad era até a cidade de Paulo Afonso, há 500km de Salvador, no extremo norte da Bahia, na caatinga, estávamos no término da primavera próximo ao verão, pela região o clima é semi-árido, com temperatura média elevada em torno dos 35°C, chegando fácil a 40°C entre dezembro e janeiro, para ter uma ideia do lugar, julho é mês o mais frio com temperatura girando em torno de 25°C.   Estava empolgado com minha primeira viagem longa com o Niva. Estava pronto. Foi aí que amigos começaram a comentar sobre o clima muito quente que pegaríamos na região, muitos diziam que o Niva, um veículo preparado para neve, não suportaria o calor intenso da caatinga.  E que poderia ter sérios problemas na viagem com a temperatura muito alta.
Cada comentário me deixava preocupado, pois a viagem era com a família.
A viagem estava planejada para irmos até o estado de Sergipe e de lá entraríamos pela cidade de Jeremoabo, na Bahia, até chegarmos a Paulo Afonso, rodaríamos em torno de 1.300 km entre ida e volta. Eu estava realmente preocupado com a minha primeira viagem com o Niva.
Quando comprei esse carro aconteceu outra história paralela e interessante, vi esse carro casualmente por três vezes no mesmo dia, parecia que estava seguindo-o, a primeira vez que vi o Niva Pantanal branquinho, lindo, foi no cemitério do Jardim da Saudade, admirei-o tanto que me vissem parecia que queria roubá-lo, a segunda vez que o vi foi no estacionamento do Mercado Modelo, parei mais uma vez para admirá-lo, e a terceira vez que o vi foi estacionado numa rua e então não resisti, fiz um bilhete e colei no para-brisa dizendo: quero comprar.
Passaram mais de sessenta dias quando me ligaram oferecendo o carro, fui então ver de perto como nunca, desta vez até sentei no banco, toquei nele todo, senti até o motor, mas para fechar o negócio eu teria duas opções ou pagava no carro CR$ 4.500 ou trocava num BR800 da Gurgel, pois o proprietário queria um carrinho de consumo baixo para sua filha ir para faculdade. Comprei o Jornal Atarde e fui direto aos classificados e achei o gurgelzinho que ele tanto queria, fui ver o carro e fechei negócio por CR$ 4.150, ofereci para trocar pelo Niva e foi aceito, e eu nem andei no Gurgel. 
Voltando a viagem, os amigos insistiam para que não fosse com o Niva dizendo: não vai dar certo você ir com esse carro, não vai dar certo...
Até que apareceu um doido querendo comprar o carro na semana da viagem, eu não queria vender, mas ele botou dinheiro, então lhe disse que só vendia se fosse pago por CR$ 6.000, o cara não pensou duas vezes, pagou na hora, negócio fechado!
Ele então tratou de ligar logo para mulher dele dizendo: prepara as malas que vamos viajar para Paulo Afonso com um grupo de trilheiros no carro que acabei de comprar!
Tomei um susto com aquela proposta e me perguntei: será que esse cara é louco?...
O fato é que eu fiquei sem carro, mas participei da viajem de carona, e o cara que comprou o Niva viajou com o grupo, no mesmo comboio, naquele sol escaldante de 35ºC em média até Paulo Afonso, brincou na lama por lá, barbarizou com brinquedinho novo dele e em momento algum o carro esquentou.  Foi e voltou de Salvador a Paulo Afonso sem problema algum.
E o pior que os mesmos amigos que me aconselharam a não ir com Niva por conta do clima, diziam satirizando: 
...olha lá o Niva que você vendeu! 
...o carro não fica em lugar nenhum da trilha!  
...o carro é forte mesmo!   
...o carro não esquenta nada! 
...o cara fez um bom negócio!
Se arrependimento matasse... rsrsrsrsrsrsrsrsrs...”
.
.
.

O Ex-Niveiro "Arigato!" Givan Soares, já teve apenas nove (9) Nivas.
É atualmente proprietário e mecânico da oficina especializada em veículos offroad:  4x4 Auto Service (em Salvador - BA)
Participa de todas as provas de offroad ou como piloto ou como resgate.
.
.
.

Um comentário:

MKS disse...

Você deve se lembrar daquela propagando de carro que o cara sempre acaba vendo o carro indo pra lá e pra cá...e o amigo dele diz " é o sinal " kkkk.....é ...vc não viu os sinais... valeu !! ótima estória