20 de ago de 2016

Combustível Errado, Prejuízo Certo! – Casos & Causos (post 1131)



"...e falou em bom tom e claro: “complete o tanque com gasolina!”


No início de 2009 o Camarada Ex-Niveiro Leonardo Couto, conhecido como Leo do “Nivasouto” viajava com a família para um encontro de niveiros baianos em Canavieiras. Uma viagem muito bem planejada para aproveitar as férias com a família e seu aniversário (http://nivasouto.blogspot.com.br/2009/02/ferias-em-canavieiras-ba.html). A previsão da trip de Lauro de Freitas até Canavieiras no Sul da Bahia era de aproximadamente 440 km de ida via Ferry Boat. Partiram bem cedo para o objetivo com a intenção de aproveitar o máximo do Baixo Sul e Costa do Dendê. Nessa época estava em conclusão a obra da estrada turística que ligaria Itacaré a capital via Costa do Dendê. Pegaram trechos de offroad e travessia de balsa no rio de Contas. Almoçaram na estrada com muita diversão. Tudo que foi bem planejado estava acontecendo perfeitamente como previsto até necessitar de abastecer a viatura. Cuidadosamente escolheu um posto de combustível em Ilhéus e só restavam 110 km para alcançar a Ilha de Atalaia. Chegou ao posto parou em frente a um conjunto de bombas de combustíveis e falou em bom tom e claro: “complete o tanque com gasolina!” 




Aproveitou em quanto abastecia para verificar alguns itens como água do reservatório do radiador, água dos esguichos dos para-brisas dianteiro e traseiro, também o nível do óleo, e todos os itens estavam reabastecidos e checados. Pagou ao frentista o valor da nota e não se deu conta que era um pouco mais barato do que o previsto no planejamento. Funcionou o motor e partiu em direção as praias do sul. Dois quilômetros depois o carro parou completamente com uma fumaça preta. Logo pensou alto: “bateu o motor!”.
Ligou pra mim (Betão/Roberto Santana/Grauçá) pedindo socorro, pois eu era o amigo niveiro mais próximo. Como já estava escurecendo acionei outro niveiro que estaria presente no encontro que logo atendeu! Charles se apresentou ao Leo no momento do sufoco. Rebocou-o até a uma oficina de confiança em Ilhéus e encaminhou a família para se hospedar. A viatura ia dormir por lá e só pela manhã iriam analisar o problema. Leo nem dormiu direito. Na manhã seguinte Charles pegou Leo e foram abrir a oficina. O mecânico olhou e descobriu de imediato que o Nivasouto fora abastecido com óleo “diesel”. Leo não acreditou: “eu falei para o frentista, o bocal do tanque e na tampa têm escritos em ambos gasolina...” A solução foi despejar todo o tanque de diesel em um recipiente e lavá-lo para receber o combustível certo, gasolina. Tiveram que limpar todos os componentes de alimentação de combustível, inclusive o carburador. Fizeram tudo como deveria ser feito, e era a hora de dar partida no motor. Chave no contato e “Vrruuummmmm...” uma fumaça preta inicialmente e depois tudo voltou ao normal... Ufa, de todos os prejuízos os menores, pois poderia ser muito pior. Os niveiros viajaram em comboio e viajaram bem...
E o frentista?! Ah o frentista, quem souber dele morre!!!...  
(moral da história: preste bem atenção na hora do abastecimento do seu veículo, pois o tal do frentista pode estar por aí no seu posto escolhido...)