27 de jul de 2017

O Niva Preso! - Causos & Acasos do Niva (post 1163)

O Niva Preso!


             O causo se passou num arraial de uma cidadezinha do interior, no sul da Bahia, entre as margens do Oceano Atlântico e o rio Pardo, onde um pitoresco boêmio e namorador, que sempre aprontava nas noites, tudo entre
músicas, mulheres e bebidas.   Todas as farras que acontecia no arraial certamente nosso personagem que vamos chama-lo de “Nó Cego” estava envolvido. Certa feita numa festa do padroeiro local, Nó Cego conheceu e se encantou com uma linda moça do município vizinho e pensou: “...essa é pra casar!”. Ficaram, namoraram, noivaram e casaram rapidamente sem dar tempo de um conhecer profundamente o outro.
O casamento ia bem, compraram uma casa, mobilharam com o melhor, plantaram horta no quintal, compraram um carro usado, um Lada Niva 91, conservadíssimo, que passou a ir para o trabalho com ele todos os dias e logo apelidou de “Meu Xodó”.
O que Nó Cego não esperava é que a mulher fosse muito ciumenta, ciumava dos amigos, ciumava do futebol, ciumava do Niva, ciumava até da própria sombra. Apesar de que o maridão dela estava mais sossegado depois do casamento, mais caseiro, menos boêmio...
Aí chega o dia da festa do Padroeiro da cidade vizinha. Os amigos solteiros passavam pela sua porta e gritavam: “Nó Cego, vamos tomar uma na Gameleira?!”
O cara ficava agoniado, pois a vida agora era outra, ele estava casado...
“Nó Cego, vamos tomar uma na Gameleira?!” passava outro que provocava...
Foi então convidar a mulher para juntos irem à festa do padroeiro da cidade vizinha e ela disse que estava indisposta.  “...e você nem pense que vai a festa alguma sem mim!” esbravejou a esposa ciumenta.
Nó Cego, malandro velho, esperou a mulher dormir para fugir pra a festa. Arrumou-se todo de roupa nova, se perfumou e sorrateiramente abriu o portão de ferro da garagem, empurrou o por uns trezentos metros o seu Niva até a esquina da rua para não fazer barulho e partiu para a gandaia. Por lá bebeu todas, dançou muito, mexeu com as meninas, se divertiu como nunca. Mas perdeu o horário... Quando chegou em casa a Dona Maria já estava acordada tomando café e não lhe disse nada, ele estranhou. Guardou o seu Niva caprichosamente na garagem e foi tomar um banho. De repente um clarão vindo da garagem, outro clarão, outro clarão e outro clarão... Assustado Nó Cego sai do banho e ainda enrolado na toalha se depara com um soldador contratado por sua esposa, soldando o portão de ferro e lhe diz: “...foi Dona Maria que mandou fazer o serviço, ela disse que era para o senhor não sair mais com o carro pra Gameleira!”  
A partir daí Nó Cego voltou a ir a pé para o trabalho, pois o Niva ficara preso em definitivo na garagem...

“...fiz isso por amor benzinho!” disse Dona Maria com ar de vingança.



*qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.
.
.
.

Nenhum comentário: