25 de jun de 2013

EXPEDIÇÃO INTERLIGANDO O MERCOSUL - DOIS NIVAS RUMO AO CHILE (1ª Parte)



PARTE I – Na rota dos caminhões

Depois de nove meses de muita pesquisa, planejamento e traçando roteiros,
finalmente o grande dia chegou para Cris e Niva, e na noite anterior à partida o Lada Niva 4x4, de fabricação russa,  chamado carinhosamente de “Nivinha,” já estava carregado com todas “tralhas” necessária para o casal.

Nivinha

O objetivo da dupla era acampar em postos de gasolina que ficavam na rota dos caminhões, armar a barraca (que fica acoplada em cima do Nivinha), e equipamentos; cozinhar, comer, tomar banho e dormir ali mesmo. Deixaram para trás família e amigos, mas também o medo, a insegurança, a desconfiança, os pensamentos negativos, e foram ao encontro da aventura, adrenalina e muita história. Não tinham a menor ideia de como tudo isso iria acontecer, em quais cidades iriam parar e como seria a recepção das pessoas nesses lugares, mas estavam predispostos a correrem todos os riscos. E foi o que fizeram durante os 18 dias que se seguiram. 


O Vinho nunca faltou...

Passaram por Carazinho (Brasil), Paso de Los Libres (Argentina), Mendoza (Arg), Las Cuevas na Cordilheira dos Andes (Arg), Teno (Chile), Los Andes (Chi), Grande Buenos Aires (Arg), Montevideo (Uruguai), Chuí (Bra) e Osório (Bra), todos seguindo a ordem do roteiro, foram os lugares que estacionaram o Nivinha e viveram emoções únicas. Literalmente "marinheiros de primeira viagem", no primeiro posto que pararam em Carazinho, armaram a barraca e tiraram tudo que havia dentro dele: caixa com panelas, pratos, copos, canecas, bacias e talheres, mesa dobrável, mantimentos, roupas de cama, mesa e banho, material de limpeza e higiene, cadeira de praia, barraca extra tipo Gazebo, caixa de calçados (sem utilidade alguma), caixa térmica, fogareiro, bombona de água com 20 litros e uma caixa de ferramentas.
Ficaram completamente perdidos com suas coisas e foi um caos. Tudo espalhado pelo chão parecia mais uma mudança. Mas nos dias seguintes foram melhorando o desempenho e até o final da viagem já faziam todas as atividades como deveria ser, que era arrumar a barraca com lençóis, travesseiros e cobertas, preparar a comida, lavar a louça e deixar tudo arrumado para o dia seguinte. 


Niva, Nivinha e as tralhas...

Além da economia com restaurantes e hospedagens que fizeram, ao abastecerem em alguns postos o frentista ofereciam fichas que dava direito a 01 banho quente com duração de sete minutos, sete minutos eternos rsrsrsrsrsrs... Tomavam banhos tão rápidos que tinham medo que ficassem ensaboados e como estavam no Rio Grande do Sul alguns ainda fornecem água quente para o chimarrão. 


Primeiro posto que dormiram - Carazinho RS

Cruzaram com pessoas que acreditam que jamais voltariam encontrá-las. Outras talvez o destino trate de juntar em outras oportunidades. Mas são essas pessoas, lugares, sabores e aromas que os acompanharão pro resto da vida e isso só a estrada e a aventura pode dar, basta saber tirar proveito de tudo que lhe é oferecido e fazer a viagem ficar mais doce e inesquecível, assim como sempre fizeram. Comenta Cris.

 Cris dominando a máquina ao sabor do chimarrão...









 Cris e Niva...



Uma parada em São Miguel das Missões - RS


Nesses lugares fantásticos que conheceram alguns personagens se destacaram, um deles foi o Luiz, um argentino que saiu do Brasil para cruzar de bike seu país. Uma figura...

 Cicloturista Argentino...

 As ruínas de São Miguel - RS



A caminho do Museu do Che, em Alta Gracia, na Argentina...

Bandeira Argentina...



continua (II e III)...

.
.
.
Fonte
.
.
.

Nenhum comentário: