1 de jul de 2013

EXPEDIÇÃO INTERLIGANDO O MERCOSUL - DOIS NIVAS RUMO AO CHILE (2ª Parte) Continuação...



PARTE II - Café da manhã no Aconcágua

Dando continuação jornada do casal Cris e Niva, eles contam que passaram
pelo Paraná, Córdoba e Villa Carlos Paz antes de chegarem à Alta Gracia, cidade onde o revolucionário Che Guevara passou sua infância, aproveitaram para visitar o museu em sua homenagem. 


“Hay que endurecerse, sin perder la ternura jamás...” dizia Che.


A estrada pertencia-os novamente e junto uma paisagem que transformara a viagem num misto de cores deslumbrantes. Eram montanhas imensas pinceladas de marrom, laranja, bege, ocre e lilás, misturadas com o verde e amarelo de árvores e arbustos, um azul celeste de um céu infinito. A pequena cidade de Uspallata (ARG) assim nos recebeu.

Chegando em Uspallata

Niva e Nivinha em Uspallata – Argentina


As montanhas coloridas de Uspallata



















Rodaram um pouco mais subindo a antiga estrada de terra que ligava a Argentina ao Chile, estrada esta que os levaram até o Cristo Redentor que limita os dois países.
A paisagem já não era a mesma, pois os montes coloridos deram lugar a uma cor só, o branco. Foi o primeiro contato que tiveram com o gelo e ali a Cris deixava de ser mulher, virou uma menina de tantas travessuras e alegrias brincando na imensidão branca, acompanhada dos dois Nivas, sem ninguém pra registrar toda aquela emoção.


Estrada que os levou até o Cristo


Olha essa criança...

Tiveram a noite mais fria de toda viagem, a temperatura era de -4°C.
Uma garrafinha de água chegou a congelar e a toalha de banho parecia uma tábua de madeira de tão dura que ficou. O Niva chegou a aquecer as mãos no fogareiro para poder mexer no motor do Nivinha, que também não quis pegar tamanho o frio.


Cristo Redentor

"Cairão primeiro estas montanhas antes que argentinos e chilenos rompam a paz jurada nos pés do Cristo Redentor."



 À água da garrafinha congelou.



Los Penitentes, a noite mais fria da viagem (- 4°C )

O sol começou a surgir meio tímido lá pelas 10 horas e aproveitaram para conhecer a Puente Del.



Seguiram para o Aconcágua, o monte mais alto da Cordilheira dos Andes, constataram a sua frente o oponente monte com seus 6.962 metros de altitude, ao redor muitas pedras e gelo, mais a frente a Laguna Espejo totalmente congelada, bem debaixo dos seus e onde suas mãos pudessem alcançar,  estavam os pães cheirosos, a omelete, e o café com leite bem quentinhos. Era uma segunda-feira que mais parecia uma manhã de domingo. Com toda simplicidade ficaram tão agradecidos por estarem naquele momento contemplando a magnitude da Mãe Natureza.
“É bom saber que não precisamos de muito para sermos felizes, pois o muito, ela já nos dá e de graça...” Comenta Cris ao lado dos Nivas...


Café da manhã no Aconcágua não tem preço.
.
.
.
EXPEDIÇÃO INTERLIGANDO O MERCOSUL - DOIS NIVAS RUMO AO CHILE (1ª Parte)
.
.
.
Fontes
Por Cris Souza
Foto Nivaldo Evaristo Junior
.
.
.

4 comentários:

yo disse...

Que bonita aventura! Yo también tengo una Niva, vivo en Perú y quiero hacer un viaje hasta Belo Horizonte

Grauçá 4x4 Niva disse...

Maravilha Yo!!! Como nós Niveiros Brasileiros podemos te ajudar?!

Gustavo Novaes disse...

Meu deus !! Q massa !!! Parabéns , tenho um Niva e um Samurai ... estou louco por uma expedição do genero ... ja fiz 1180 km de bike pela estrada Real .

Daniel Lheritier disse...

Parabéns ao casal mais radical de Camboriú, sei que esta trip é apenas uma das várias que ainda estão por vir....ALOHA!!!